Principais características da exploração

Na tabela seguinte podemos verificar as principais características da sua exploração:

Quantidade média diária de leite produzido por vaca (l)

Total de área forrageira (ha)

Encabeçamento (CN/ha)

Capacidade de armazenamento de chorume (dias)

Efetivo animal (nº CN)

Efetivo substituição  (%)

Quantidade média diária de leite produzido por vaca (litros)

Total de área forrageira (ha)

Encabeçamento (CN/ha)

Capacidade de armazenamento de chorume (dias)

Efetivo animal (nº CN)

Efetivo substituição  (%)

Análise gráfica balanço de azoto

No gráfico seguinte encontramos as entradas de azoto na exploração expressas em percentagem. 

No gráfico seguinte encontramos as saídas de azoto na exploração expressas em percentagem. 

Balanço de Nutrientes

Na tabela seguinte verificamos as entradas e saídas de azoto, fosforo e potássio na exploração e o cálculo do seu balanço.  

Entradas

Azoto (kg N / ha)

Fósforo (kg P / ha)

Potássio (kg K / ha)

Concentrados 

Fertilizantes

Palha

Animais

Forragem

Água de Rega

n.a.

n.a.

Leite de Substituição

Total Entradas

Saídas 

Azoto (kg N / ha)

Fósforo (kg P / ha)

Potássio (kg K / ha)

Leite

Chorume

Animais

Forragem

Total Saídas

Balanço (excesso)

Índices de impacto e de eficiência

Na tabela seguinte são apresentados alguns índices que traduzem o impacto e a eficiência no uso dos recursos:

kg N excesso / ha

kg N excesso / m3 leite

kg N excesso / kg N exportado

g concentrado / L leite

kg concentrado / kg N exportado

Indicadores valorização do chorume

Na tabela seguinte podemos encontrar os principais indicadores relacionadas com a valorização do chorume:

1) Total de chorume produzido na exploração (m3/ano)

2) Excesso absoluto de chorume na exploração (m3)

3) Excesso de chorume na exploração por hectare (m3/ha)

4) Excesso de chorume por cabeças normais de gado (m3/CN)

5) Azoto no chorume em excesso (kg N /ha) 

6) Fósforo no chorume em excesso (kg P2O5 /ha)

7) Quantidade média de azoto mineral a adquirir (kg/ha)

8) Quantidade média de fósforo mineral a adquirir (kg / ha)

9) Quantidade média de azoto mineral aplicado (kg / ha)

10) Quantidade média de fósforo mineral aplicado (kg / ha)

1) Total de chorume produzido na exploração (m3/ano)

2) Excesso absoluto de chorume na exploração (m3)

3) Excesso de chorume na exploração por hectare (m3/ha)

4) Excesso de chorume por cabeças normais de gado (m3/CN)

5) Azoto no chorume em excesso (kg N /ha) 

6) Fósforo no chorume em excesso (kg P2O5 /ha)

7) Quantidade média de azoto mineral a adquirir (kg/ha)

8) Quantidade média de fósforo mineral a adquirir (kg / ha)

9) Quantidade média de azoto mineral aplicado (kg / ha)

10) Quantidade média de fósforo mineral aplicado (kg / ha)

Valorização de chorume - Indicações

Este indicador calcula o chorume anual produzido na exploração expresso em Cabeças Normais, tendo por base os valores da Portaria 259/2012 de 28 de Agosto – “Quantidade e composição média de estrumes e de chorumes não diluídos produzidos anualmente por diferentes espécies pecuárias e sua conversão em cabeça normal (CN)”

Atendendo à disponibilidade de chorume na exploração é determinado, caso exista, o excedente de chorume na exploração (quantidade que não é possível valorizar na superfície forrageira da exploração, devido à legislação vigente). Fora das ZVN, as quantidades máximas de chorume a aplicar por hectare e por ano são calculadas tendo em atenção as necessidades das culturas nos dois nutrientes, tendo como principal facto limitante o valor de azoto ou de fósforo que primeiro satisfaça as necessidades da cultura a instalar ou já instalada.
Nas ZVN respeita-se ainda a aplicação máxima de 170 kg de N com origem orgânica e os valores da quantidade máxima de N a aplicar às culturas em função da sua produtividade conforme o Anexo VIII da Portaria 259/2012.

Valor anterior calculado por hectare.

Excesso de chorume na exploração em metros cúbicos expressos por Cabeças Normais.  

Para a estimativa da concentração de N e P no chorume obtido na exploração,  dividiu-se o total de nutrientes excretados pelo volume de chorume produzido. Para o N disponível (Ndisp), que na legislação se define como correspondente “à fração que resulta da mineralização do azoto orgânico que pode ser utilizada pelas culturas em condições ótimas”, e igualmente face à incoerência entre os valores de N excretado inscritos nos Anexos V e XII da Portaria 259/2012, neste trabalho o Ndisp é considerado o azoto disponibilizado ao solo para as culturas depois de subtraídas as perdas ocorridas no estábulo, no armazenamento e na aplicação do chorume ao solo (principalmente na forma de NH3). Para o cálculo do Ndisp considerou-se que o seu valor é igual a 60% do N excretado.

Este indicador calcula os quilogramas de azoto disponíveis no chorume em excesso na exploração, expresso por hectares. 

Este indicador calcula os quilogramas de fósforo disponíveis no chorume em excesso na exploração, expresso por hectares. 

Nas explorações em que o chorume disponível não seja suficiente para satisfazer as necessidades das culturas ou em que, embora o chorume disponível seja suficiente, a legislação não permita a sua utilização em quantidade que satisfaça aquelas necessidades, a aplicação determina os fertilizantes minerais de a adquirir com aquele fim.

O cálculo das necessidades das culturas em azoto e fósforo é efetuado usando as seguintes equações: 

 

kg N/ha  = Produção de MS/ha × [N] × EUN

kg P2O5/ha = Produção de MS/ha × [P2O5] × EUP

 

Em que se assumiu os seguintes valores:

Produção de matéria seca de milho expressa em toneladas por hectares = 21 t MS/ha

Produção de matéria seca de azevém expressa em toneladas por hectares = 9 t MS/ha

 

[N] – Concentração de azoto presente na MS da forragem em percentagem.

Milho = 1,25 | Azevém = 1,40

[P2O5] – Concentração  de fósforo presente na MS da forragem.

Milho = 0,57 | Azevém = 0,65

 

EU – Coeficiente  de eficiência de utilização pelas culturas do N e P aplicados ao solo. Traduz-se em kg de nutriente absorvido por kg de nutriente aplicado, expresso em proporção ou em percentagem (Roberts, 2008).

EU N: Milho = 0,7 | Azevém = 0,6

EU P: Milho = 0,9 | Azevém = 0,9

 

O indicador calcula a quantidade média de azoto a adquirir por hectare para garantir o potencial produtivo das culturas. 

O indicador calcula a quantidade média de fósforo a adquirir por hectare para garantir o potencial produtivo das culturas, tendo por base os valores apresentados no ponto anterior.